Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Ai a minha vida...

por lady magenta, em 03.08.12

 

 

Há coisas na vida...Ou melhor, há com cada coisa na vida...

Sou casada em segundas núpcias...Do meu primeiro casamento resultou o meu rico e adorado filho mais velho.

Não foi um casamento feliz. Foi uma relação conturbada que durou 4 penosos anos e me destruiu completamente a auto-estima...E tudo o que ambicionei ser.

O meu filho foi, literalmente, educado pelo avô, meu pai, e pelos tios...Subsequentemente apareceu o temível "padrasto", que não lhe quis arrancar o coração, mas acabou por conquistá-lo,(muito embora, a relação destes dois seja baseada numa dupla interminável amor/ódio, mas entendem-se...)

Acho triste e lamentável que o pai do meu filho, agora na recta final, fique triste por não ter noticias do filho...

Tanto que o adverti, "Paulo, o teu filho há-de crescer..."

Pelos vistos cresceu...

Nunca senti necessidade, nem sequer foi equacionado pela minha pessoa, usar os filhos como arma de esgrimir....Os filhos são os filhos, as nossas relações com outras pessoas são o resto.

Nunca falei sobre o que fosse, despeitadamente, com o meu filho, apesar de ele estar a par de todos os porquês da minha relação com o pai dele não seguido o caminho óbvio...E fi-lo saber desde o primeiro minuto, que apesar da nossa relação enquanto casal ter terminado, ele é nosso filho e muito amado por ambos...

Como podem agora ao fim de 17 anos, vir-lhe cobrar seja o que for?

Não podem.

E ainda bem que ele tem a mãe que tem, porque se assim não fosse, o meu filho a esta hora, em vez de estar a gozar umas merecidíssimas férias longe de tudo e todos, estaria a fazer companhia ao pai...

Não que ele não ame o pai, ele simplesmente idolatra-o...Mas tem orgulho e amor próprio suficientes, para reconhecer que apesar de amar tanto o pai, ele já existe à dezassete anos, e o pai só se aproximou dele agora...

Nunca lhe faltou nada de material, a família do pai e eu, nunca deixámos. Os afectos que não teve, foram substituídos por coisas e não sentimentos. Uma lacuna na vida dele, que jamais poderá ser substituída...Culpo-me, mesmo sabendo que não poderia obrigar o pai dele, a desempenhar um papel para o qual não estávamos minimamente preparados...Eu com 19 anos e ele com 29...Deveria ter esperado, não deveria ter deixado que acontecesse. No entanto naquela altura, ainda bem que aconteceu. Livrou-me dos vícios, fez-me ter um objectivo pelo qual lutar...Salvou-me a vida.

A escolha não foi a melhor, mas foi a possível...

O pai do meu filho não é mau homem, pelo contrário, é o melhor Ser humano que conheço, tão puro, tão genuíno, que toda a gente se soube aproveitar dele...Incapaz de ver maldade em nada. Com um vício terrível, o álcool...Enfim...

Nunca foi um homem de objectivos, apenas de sonhos...Nada ambicioso, mas um excelente profissional...Podia ter tido o mundo, se tivesse outra personalidade, assim, teve os amigos que teve e viveu a vida que quis...

As suas escolhas influenciarão a vida do filho para sempre.

O meu filho não é amargurado, sempre soube ver a pessoa que o pai é...A fase do choro, da raiva, dos sentimentos baralhados já lhe passou...

Hoje olha para o pai, sobretudo com pena...Pena que o pai não tenha participado mais na vida dele, pena que o papel de pai tenha sempre, sido desempenhado por outros...

O meu filho tem de viver com esta mágoa, e eu também...

Não é justo...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:35

os outros e eu #1

por lady magenta, em 21.09.11

(imagem retirada da net)

 

 

Entendo que a toda a hora me digam que tenho de reagir. Sei que tenho, mas neste momento não sou capaz. Acho que tenho de dar tempo ao tempo, para tentar organizar as ideias.

Todos sofremos de forma diferente, todos reagimos de forma diferente. O comentário que mais tenho ouvido tem sido "Ele ainda não morreu!!!"...Pois não. Eu sei. Nem de forma alguma me sinto tão triste pela iminência de ele me ir faltar...No fundo o que deita realmente abaixo, é pensar que ele está a sofrer e não lhe posso fazer nada...Da mesma forma que me custa pensar em todas as provações que passou, para vir a morrer de uma forma odiosa...Em sofrimento...Totalmente dependente.

Habituei-me a ver o meu pai como um herói...O super herói que levou 14 anestesias e acabou por retirar as amígdalas a sangue frio, durante a guerra colonial. O herói que lutou numa guerra sem sentido e, que voltou para contar a história. O herói que com uma hérnia estrangulada foi sozinho para o hospital sem dar parte fraca, nem dizer nada a ninguém. O herói que não se queixa...Não geme. O meu pai é o meu herói...O meu filho mais velho também. No mesmo dia em que soubemos que o avô, provavelmente só terá 3 meses de vida, o pai dele, meu ex-marido, ficou a saber que não fará mais quimio...Na perspectiva da equipa que o segue, terá entre 6 meses a 1 ano de vida. A vida é assim. Eu sofri com ele tudo o que passou até agora com a doença do pai. Agora é ele que sofre comigo. O meu pai é o meu herói. O meu filho mais velho também...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:08


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D